Werdum perde em luta polêmica para Overeem no UFC 213; torcida vaia resultado

O co-main event da noite tinha uma emoção mais para os amantes mais antigos do MMA. Onze anos depois do primeiro encontro, Fabrício Werdum e Alistair duelaram pela terceira vez em suas para desempatar o placar e, de quebra, colocar o vencedor como franco favorito para garantir a chance de disputar o cinturão dos pesos-pesados contra Stipe Miocic. E quem se deu melhor foi o gigante holandês, em decisão polêmica e duramente criticada pela torcida.

Disposto a surpreender, o peso-pesado gaúcho começou a luta aplicando uma voadora. Agressividade esta que perdeu ritmo com o decorrer do assalto. Isso porque os dois atletas optaram por estudar um ao outro e cadenciar os ataques, o que abriu brecha para que Werdum, que caminhou sempre para frente e soltou mais golpes, levasse ligeira vantagem em assalto que poderia ser pontuado para qualquer lado.

No entanto, o segundo assalto contou com um holandês mais estratégico e preciso. Após se esquivar de nova voadora do rival, Overrem jogou no contra ataque e pontuou com potentes golpes no infight, principalmente joelhadas e chutes de encontro. Em duas dessas ocasiões, Werdum sentiu e puxou para guarda na tentativa de se recuperar.

Na terceira e última etapa, Werdum mais uma vez mergulhou com uma voadora, talvez para impressionar a torcida, antes que uma luta cadenciada voltasse a tomar conta do octógono. Sempre com a postura de agressor, o brasileiro aproveitou a queda de rendimento do rival para usar joelhadas no clinche. E em uma delas ele conseguiu impor um knockdown no ex-campeão do K-1 (torneio de kickboxing).

Com a vantagem não apenas nas papeletas, mas também psicológica, ‘Vai Cavalo’ partiu para cima e derrubou, posição em que permaneceu mais de dois minutos golpeando no ground and pound, o suficiente que parecia lhe garantir a vitória por pontos.

No entanto,após o anúncio de uma vitória por decisão majoritária (um dos árbitros marcou empate), a torcida não parou de vaiar e criticar o resultado, abafando o discurso do vencedor.

Recomeço

Ex-campeão dos pesos-leves (70 kg), Anthony Pettis resolveu retornar à sua divisão de origem após acumular duas derrotas em três apresentações como peso-pena (66 kg). E a mudança parece ter dado certo. Com um jogo mais solto e mais rapidez nos golpes, além de um condicionamento físico melhor, ‘Showtime’ impôs seu ritmo quase como nos velhos.

Com precisos chutes nas costelas de Jim Miller, Pettis garantiu a manutenção de distância e minou consistentemente o ritmo do rival, que não encontrou muitos momentos para buscar suas quedas. Desta forma, com o passar dos minutos, o ex-campeão passou a se sobressair cada vez mais, o que abriu espaço para suas combinações de socos na curta distância e chutes na saída dos movimentos.

Um belo show aplicado por três rounds pelo atleta que ainda demonstrou ter a respiração normalizada após o duelo. O recado dado ainda no cage, durante entrevista para Joe Rogan, foi claro. O peso-leve está de volta e disposto a brilhar mais uma vez rumo ao cinturão que hoje pertence a Conor McGregor. Fiquem de olho!

Tropeço

O card principal começou ruim para os brasileiros. Ex-campeão do Jungle Fight, Douglas Silva de Andrade encarou o duro americano Rob Font e não viu a cor da bola. Mais dinâmico desde o início, o dono da casa obrigou o rival a andar para trás seguidamente e o puniu na troca de golpes em pé em todos os momentos de aproximação.

Com o mesmo cenário se repetindo no 2º round, não demorou para que Douglas acusasse os golpes no rosto e caísse em knock down, permitindo que o oponente trabalhasse no ground and pound. Mas foi nesta posição, curiosamente, o brasileiro encontrou seu melhor momento. Raçudo, ele empurrou Font, levantou e aplicou uma queda cinematográfica o cravando no tablado. Infelizmente, o americano já caiu com uma guilhotina encaixada e obrigou o oponente a bater.

Acompanhe os resultados do UFC 213:

Alistair Overeem venceu Fabrício Werdum por decisão majoritária;
Curtis Blaydes venceu Daniel Omielańczuk por decisão unânime;
Anthony Pettis venceu Jim Miller por decisão unânime;
Rob Font finalizou Douglas Silva de Andrade no 2º round;
Oleksiy Oliynyk finalizou Travis Browne no 2º round; 
Chad Laprise nocauteou Brian Camozzi no 3º round;
Thiago ‘Marreta’ Santos nocauteou Gerald Meerschaert no 2º round;
Belal Muhammad venceu Jordan Mein por decisão unânime;
Cody Stamann venceu Terrion Ware por decisão unânime;
Trevin Giles nocauteou James Bochnovic no 2º round.

Realizado nesta sexta-feira (7) em Las Vegas (EUA), o TUF Finale 25 contou com alguns duelos de tirar o fôlego. A começar pela atração principal da noite, que levantou a plateia no ginásio T-Mobile Arena e coroou o estreante Justin Gaethje, que nocauteou Michael Johnson - Rigel Salazar
Depois de alternar bons e maus momentos no combate, o ex-campeão do WSOF nocauteou o rival ao seu estilo, após sobreviver a um forte castigo no octógono. Isso, claro, deixou a torcida em estado de êxtase - Rigel Salazar
Por fim, o novo atleta do UFC desafiou quem quer que apareça em seu caminho: "Quem é o próximo?" - Rigel Salazar
A 25ª edição do TUF contou comum final interessante. E quem levou a melhor foi o americano Jesse Taylor, que finalizou Dhiego Lima no 2º assalto com um mata-leão - Rigel Salazar
Ao melhor estilo Demian Maia, o americano derrubou, pegou as costas e finalizou após dominar por completo a disputa - Rigel Salazar
Ao ser anunciado como vencedor do TUF, Jesse não escondeu a emoção - Rigel Salazar
Como prêmio, além do contrato com o UFC, ele levou para casa 290 mil dólares (Cerca de R$ 950 mil) - Rigel Salazar
Drakkar Klose venceu Marc Diakiese por decisão dividida - Rigel Salazar
Drakkar Klose venceu Marc Diakiese por decisão dividida - Rigel Salazar
Jared Cannonier nocauteou Nick Roehrick no 3º round - Rigel Salazar
Jared Cannonier nocauteou Nick Roehrick no 3º round - Rigel Salazar
Brad Tavares venceu Elias Theodorou por decisão unânime - Rigel Salazar
Brad Tavares venceu Elias Theodorou por decisão unânime - Rigel Salazar
Jordan Johnson venceu o brasileiro Marcel ‘Mãozinha’ Fortuna por decisão unânime após três rounds monótonos - Rigel Salazar
Melhor em pé, o americano impôs seu estilo e impediu qualquer chance do rival - Rigel Salazar
Especialista em jiu-jitsu, Marcel Fortuna preferiu lutar em pé - Rigel Salazar
Angela Hill venceu Ashley Yoder por decisão unânime - Rigel Salazar
Angela Hill venceu Ashley Yoder por decisão unânime - Rigel Salazar
James Krause venceu Tom Gallicchio por decisão unânime - Rigel Salazar
James Krause venceu Tom Gallicchio por decisão unânime - Rigel Salazar
C.B. Dollaway venceu Ed Herman por decisão unânime - Rigel Salazar
Tecia Torres finalizou Juliana ‘Ju Thai’ Lima no 2º round em duelo que garantiu e primeira derrota brasileira na noite - Rigel Salazar
Estratégica, Tecia caminhou para frente, encurtou a distância e anulou o muay thai da peso-palha (52 kg) mineira - Rigel Salazar
Depois de dominar o primeiro round, Tecia não deu chances à rival na segunda etapa - Rigel Salazar
Com um justo mata-leão, ela obrigou a brasileira a dar os três tapinhas - Rigel Salazar
Gray Maynard venceu Teruto Ishihara por decisão unânime - Rigel Salazar
Gray Maynard venceu Teruto Ishihara por decisão unânime - Rigel Salazar

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *