Treinador defende decisão de manter Raquel Pennington em luta após lesão

Raquel Pennington foi nocauteada por Amanda Nunes no UFC 224 – Lais Rechenioti

Mesmo depois de Raquel Pennington alegar que não conseguiria mais lutar contra Amanda Nunes, no main event do UFC 224 – show realizado nesse sábado (12), no Rio de Janeiro –, seu treinador a mandou de volta para o quinto round do confronto. A atitude da equipe da americana rendeu uma série de opiniões distintas, mas a própria ‘Rocky’ garantiu que a decisão de continuar no combate foi a correta. E Jason Kutz garante que não tem do que se arrepender.

De acordo com a americana, se a sua intenção de fato fosse sair da disputa de cinturão dos galos (61 kg) haveria outras maneiras que não envolveriam os seus treinadores, mas “desistir não foi uma opção”. Em entrevista ao programa ‘MMA Hour’, o treinador responsável pela decisão de mandá-la de volta para o octógono no round final assegurou que confiava que Pennington poderia reverter o resultado. Além disso, o ‘head coach’ sugeriu que as críticas não aconteceriam se o episódio acontecesse com um homem.

“O que eu vou dizer é que a forma como ela falou e o olhar no olho dela, as pessoas não entendem isso. Eu passo quatro horas por dia com ela, posso ler o rosto dela como um livro. Sabia que ela se arrependeria dessa decisão no futuro. Ela precisava fazer um esforço extraordinário, porque ela precisava parar a Amanda. Se eu achasse que Raquel não conseguiria fazer isso, teria tomado outra decisão. Ela tinha uma chance. Ela treinou duro para isso, é claro que, no quinto round de uma disputa de cinturão, as pernas vão doer”, analisou o treinador, apesar de sua atleta ter sido encaminhada ao hospital após o confronto com uma suspeita de fratura no nariz.

“Na minha opinião, ela teve uma grande melhora mental, girou 180 graus e começou o quinto round. Estou absurdamente orgulhoso disso. Sei que muitas pessoas acham que a jogamos para os lobos, mas sei o quão forte ela é. Poderia ser diferente se a Raquel fosse um homem, pareceria diferente. Não a trato diferente por ser mulher. Tomei a decisão e não me arrependo. A equipe não se arrepende. E, principalmente, Raquel não se arrepende. Então pronto. Vamos seguir em frente e aprender com isso”, concluiu.

Durante toda a atuação, Rocky não conseguiu lutar no mesmo nível de Nunes e as estatísticas do duelo mostraram que a ‘Leoa’ conseguiu quase o dobro de golpes contundentes que a desafiante ao título. O motivo dessa diferença numérica, de acordo com Pennington, foi o fato dela estar com medo de pisar, já que achava que lesionara a perna no primeiro round do confronto principal do UFC 224.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *