McGregor repete fórmula de Sonnen e larga na frente contra Dos Anjos

Alguém aí consegue ver McGregor em meio aos fãs e jornalistas? - Diego Ribas

Alguém aí consegue ver McGregor em meio aos fãs e jornalistas? – Diego Ribas

O primeiro passo para a promoção da luta entre Rafael dos Anjos e Conor McGregor foi dado. E com Êxito total. Na última quarta-feira (20), em Las Vegas (EUA), os protagonistas do UFC 197, show marcado para o dia 5 de março, ficaram frente a frente e o que se viu foi mais um show do irlandês. Falastrão, irônico e provocador, o campeão peso-pena surpreendeu ao, logo de cara, parecer ter incomodado o rival brasileiro a ponto de ouvir do sempre comedido RDA a promessa: “Poderei vencer rápido, mas vou fazer ele sofrer por quatro rounds”.

Quem conhece o perfil sempre pacato do brasileiro e o poder do desafiante ao cinturão dos leves (70 kg) de irritar (na base de gritos e do velho e conhecido bullying), sabe que esse sintoma indica que ele sentiu o golpe. Afinal, o próprio dos Anjos afirmou que o jogo mental pode ter influenciado na derrota de Aldo para o mesmo McGregor em dezembro passado.

No entanto, para os fã mais atentos, vela destacar dois detalhes da provocação em modo artilharia pesada visto no Hotel Cassino MGM. O primeiro deles é que Conor se espelhou em uma estratégia a muito conhecida e que foi imortalizada por Chael Sonnen – e que costuma funcionar diante do sentimento patriota de atletas brasileiros.

Ao acusar RDA de traidor por ele ter deixado seu País de origem – Rafael vive com a família em Los Angeles (EUA) -, Conor atacou a origem de cada atleta que migra em busca de melhoria de condições de treinamento e ignorou as dificuldades do cotidiano de um lutador no Brasil. Tática que, da mesma forma com que Sonnen irritou Spider e Wanderlei Silva, atingiu o objetivo diante do campeão peso-leve do UFC.

Em outro golpe, ao que parece, Conor não percebeu a intensidade com que atingiu não apenas seu adversário mas parte de sua equipe. A brincadeira completamente jogada a esmo durante conversa com o site TMZ no final do ano passado, e intensificada nesta coletiva, fez Rafael prometeu fazê-lo pagar. Afinal, para um religioso como ele (e para diversos lutadores de MMA brasileiros), brincar com o nome de Jesus provoca calafrios.

Desta forma, com tais cartas lançadas, fica visível que da mesma forma que dentro do octógono RDA é favorito, fora dele o irlandês é o nome do jogo. E a cada edição deste embate de palavras fora do cage a chance de Conor aumenta. Resta saber se ele terá tempo suficiente para virar a mesa.

Já que, ao menos fora dele, a batalha pela torcida já parece contar com um vencedor, como pôde ser visto (ainda como aperitivo) ao final da coletiva quando a procura por autógrafos do ‘The Notorius’ se fazia parecer com um encontro de fãs e astros do rock.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *