Jessica Aguilar adia sonho do UFC México, mas planeja inspirar MMA na América Latina

Jessica Aguilar não tem data para retornar ao octógono do UFC – Erik Engelhart

Primeiro grande nome do MMA da América Latina,  Jéssica Aguilar deixou o World Series of Fighting (WSOF) em 2015, quando assinou com o UFC para ser um dos rostos da divisão dos pesos-palhas (52 kg). No entanto, alguns imprevistos evitaram que a atleta alcançasse o rendimento esperado pelos fãs – e por ela mesma. E talvez essa  seja a explicação para o recorde negativo da atleta no maior evento de artes marciais mistas do mundo.

Depois de migrar para o UFC com uma sequência de dez vitórias, Jéssica fez apenas duas apresentações no octógono e não venceu nenhuma. Consciente do momento negativo, a lutadora de origem mexicana não baixa a cabeça e busca no passado, quando foi considerada a melhor do mundo após bater  a japonesa Megumi Fujii, forças para se reerguer.

“O UFC é o maior evento, todos conhecem. Agora eles tem as melhores lutadores de 52 kg do mundo, e a minha carreira sempre foi em busca das melhores da minha divisão. Infelizmente, enfrentei alguns problemas nos últimos anos. Não pude lutar 100% nas minhas últimas duas apresentações. Se você olhar o meu histórico, verá que eu sempre enfrentei os melhores. Lutei com a Megumi e depois defendi meu título por cinco anos. Sempre em alto nível”, afirmou durante conversa exclusiva com a reportagem da Ag. Fight.

No estaleiro em busca de uma nova chance para mostrar seu valor no octógono, Jéssica viu seu nome ser cogitado para um card a ser realizado na Cidade do México, em agosto. No entanto, a mexicana, um dos ícones do esporte na América Latina, terá que adiar o sono de competir em seu país.

“Me encantaria lutar no México.É meu sonho, mas não posso lutar com essa lesão. Mesmo assim, estou me recuperando. Gostaria de lutar mais uma vez esse ano, mas garanto que só o farei quando meu corpo estiver  100%. Agora estou me recuperando de lesões no joelho e nariz. Perdi muito peso e tenho que me recuperar agora”, narrou a veterana de 35 anos.

Aguilar também aproveitou para dar sua opinião sobre o MMA na América Latina. Apesar de não ter a tradição de países como Brasil e Estados Unidos, o México vive o auge de popularidade do esporte no momento, em grande parte baseado pela popularidade de atleta como Yair Rodriguez e da própria Jéssica. Por isso, ela reforça o desejo de fazer parte ainda mais de perto deste momento.

“Quero compartilhar minha história, motivar e ajudar com o crescimento do esporte, que é relativamente novo (na América Latina). No meu caso, comecei com 24 anos e cheguei a ser campeã mundial, e agora estou na maior organização do mundo. Quero ser parte, sou parte da história. Fui a primeira campeã mexicana e latina de MMA. Pude mostrar que as latinas podem competirem um esporte considerado para homens”, finalizou.

Após mais de um ano de especulação, uma superluta de boxe entre Conor McGregor e Floyd Mayweather Jr. foi marcada para o próximo dia 26 de agosto, em Las Vegas (EUA). Possivelmente o evento mais esperado do ano, o duelo é o assunto do momento e contará com fatos inéditos. Veja dez pontos-chaves para entender tudo sobre o combate - Reprodução
Se em 2016 McGregor se tornou o atleta mais pego do UFC ao receber um total de 7,7 milhões de dólares (cerca de R$ 25 milhões, na época) pelas três lutas que participou, o duelo de boxe Mayweather promete ultrapassar e muito essa quantia. De acordo com o presidente do UFC, Dana White, o irlandês receberá cerca de 100 milhões de dólares (cerca de R$ 328 milhões) - Leandro Bernardes Lopes
A marcação de uma das lutas mais aguardadas dos últimos tempos empolgou Dana White, que chegou a afirmar que esse evento será o recorde de pay-per-view na história do mundo da luta. Contudo, a meta não é fácil: atualmente, o duelo entre Mayweather e Pacquiao foi o maior com 4,6 milhões de venda de PPV - Reprodução
Pela primeira vez na história, veremos um lutador de MMA renomado participar de um duelo de boxe de alto nível. O caminho inverso já foi trilhado por alguns atletas como James Toney e Holly Holm, no entanto, o feito de McGregor será inédito no esporte - Diego Ribas
Acostumado a se apresentar sempre em maio e setembro - quando realiza as suas lutas em feriados -, Mayweather fará algo que não acontece desde 2007: subirá no ringue em outro mês do ano. E, curiosamente, essa será a primeira luta da carreira do veterano no mês de agosto - Diego Ribas
Com a marcação da superluta entre McGregor e Mayweather, todos os holofotes do mundo da luta se voltaram para os astros do esporte - o que acabou prejudicando muita gente. Além do duelo entre Gennady Golovkin e Canelo Alvarez ter ficado em segundo plano, diversos eventos do Ultimate, que contarão com defesas de cinturão como os shows de números 213 e 214, também perderam apelo - Reprodução
Pelo visto, tem muita gente querendo tirar uma casquinha de McGregor e participar de alguma forma do card liderado pelo irlandês e por Mayweather. Logo após o anúncio, alguns atletas do Ultimate se ofereceram para lutar no evento: Stipe Miocic, Cris 'Cyborg', Cub Swanson e Wilson Reis deixaram claro que estão à disposição - Inovafoto
Acostumado a lutar sempre no Madison Square Garden - que era apelidado de 'Champs House' em homenagem ao ex-campeão mundial -, Mayweather fará a sua primeira apresentação na T-Mobile Arena. Curiosamente, o ginásio foi batizado em março passado como a 'casa' do UFC - Rigel Salazar
Empatado com Rocky Marciano como os atletas invictos com mais números de vitórias - os dois boxeadores colecionam um cartel com 49 triunfos e nenhuma derrota -, Mayweather terá a oportunidade de ultrapassar o falecido pugilista - Reprodução/USA Today
Apesar da USADA (agência americana de controle antidopagem) não ser a entidade responsável por fiscalizar o doping no boxe profissional, Mayweather concordou em ser testado pelo órgão - Reprodução/Facebook
Produzido pela 'Mayweather Promotions', o duelo entre McGregor e Mayweather não conta com a participação do UFC na promoção do evento - o Ultimate participará apenas como coadjuvante. Tanto que, o logo do torneio de MMA nem sequer aparece no cartaz do evento. O espetáculo será transmitido pelo canal 'Showtime Boxing' - Reprodução/Twitter

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *