Georges St-Pierre coloca em dúvida seu retorno aos pesos-médios do UFC

Georges St-Pierre voltou a lutar no UFC após quatro anos de inatividade – Maria Suarez

Como era especulado antes mesmo de seu retorno ao octógono do UFC, Georges St-Pierre pode ter feito uma apresentação única na divisão dos pesos-médios (84 kg). Isso porque, após finalizar o inglês Michael Bisping e garantir o cinturão do evento, o canadense parece disposto a descer de categoria.

Curiosamente, antes da luta que liderou o card do UFC Nova York, GSP afirmou que seu contrato previa que, em caso de vitória, ele deveria defender seu cinturão obrigatoriamente. Discurso este que não parece ser levado à risca atualmente, como o próprio atleta revelou ao canal canadense ‘TSN’.

“Vamos falar sobre isso, mas não tenho certeza que se eu competir de novo eu vou voltar aos 84 kg. Eu acho que não. Claro, em termos de peso, se eu for competir em 84 kg, eu vou ter que comer, como eu fiz. Eu aprendi com meus erros, não acho que é uma coisa boa para se fazer, me forçar a comer para ganhar massa muscular”, narrou.

O discurso do campeão foi feito pouco depois dele oficializar que enfrenta um problema de saúde. Em tratamento para se livrar da úlcera de cólon que deve lhe tirar de ação por alguns meses, GSP parece disposto a reduzir sua massa muscular e, consequentemente, voltar aos meio-médios (77 kg).

“Sempre fui contra o uso de drogas para aumento de performance, e fiz tudo isso de forma natural. Não existe caminho fácil. Fiz isso da forma difícil e foi para ganhar e manter massa muscular. Foi bem difícil e nada saudável. Acho que o corpo tem um peso natural que pode performar da maneira mais atlética e, para mim, é o peso em que estou agora”, finalizou.

Antes de enfrenar Michael Bisping, GSP reinou entre os meio-médios por anos e atingiu a marca de nove defesas de cinturão seguidas. Ao vencer o rival inglês após quase quatro anos parado, o canadense se tornou o quarto atleta a afivelar títulos em diferentes categorias de peso. Antes dele, Randy Couture, BJ Penn e Conor McGregor cravaram seus nomes na história.

Para a tristeza dos brasileiros, a era de José Aldo como campeão peso-pena (66 kg) do UFC chegou ao fim. No último sábado (2), o lutador fez uma revanche contra Max Holloway para tentar recuperar o título que foi seu por pouco mais de quatro anos e acabou nocauteado assim como no primeiro combate. Agora, distante de uma nova disputa de cinturão, o brasileiro ainda tem três lutas em seu contrato com o Ultimate. Relembre a trajetória do 'Campeão do Povo' no MMA - Reprodução
Pouco mais de um ano após estrear no extinto WEC, Aldo provou que merecia lugar de destaque ao enfrentar Mike Brown pelo cinturão peso-pena (66 kg) da companhia e se consagrar campeão ao nocautear o americano - Reprodução
Em 2011, após o WEC ser adquirido pelo Ultimate, Aldo manteve o cinturão dos penas e já estreou na nova companhia defendendo o seu título contra Mark Hominick. O Campeão do Povo venceu por decisão unânime dos juízes e deu início ao seu legado como maior nome da história da divisão - Erik Engelhart
O brasileiro defendeu o cinturão dos penas do UFC por sete vezes consecutivas, em um período de pouco de mais de quatro anos. Até os dias de hoje, o brasileiro é o maior atleta da história da divisão na companhia - Felipe Castello Branco
Durante o seu reinado, Aldo manteve uma relação conturbada com a diretoria do Ultimate. Seguidos cancelamentos de lutas do brasileiro e a vontade de realizar no máximo dois confrontos por ano dificultaram a convivência do brasileiro com Dana White - Diego Ribas
Em dezembro de 2015, sem perder uma luta há mais de dez anos, Aldo foi nocauteado por Conor McGregor em apenas 13 segundos de combate e perdeu o cinturão dos penas do UFC, dando início À uma fase polêmica de sua carreira - UFC/Divulgação
Com a recusa de uma revanche imediata contra o irlandês - que subiu de categoria para fazer superlutas - Aldo anunciou aposentadoria do MMA. Contudo, após conversa com Dana White, o brasileiro voltou atrás em sua decisão e passou a receber críticas por parte de fãs - Marcelo de Jesus
Pouco menos de um ano após a derrota para McGregor, Aldo voltou a subir no octógono para encarar Frankie Edgar em duelo valendo o título interino dos penas. Com excelente atuação, o Campeão do Povo superou o americano na decisão unânime dos juízes - Rigel Salazar
Após a conquista do título interino, Aldo foi promovido a campeão linear dos penas (66 kg) depois que McGregor subiu definitivamente para os pesos-leves (70 kg) e vagou o cinturão - Reprodução
Em sua primeira defesa de cinturão após reconquistar o título, Aldo foi nocauteado por Max Holloway no Rio de Janeiro e perdeu novamente o título dos penas - Marcelo de Jesus
Seis meses depois da derrota, o brasileiro voltou a encarar Holloway em uma revanche valendo o cinturão da divisão. Assim como no primeiro combate, o brasileiro foi nocauteado pelo havaiano - Marcelo de Jesus
Com as duas derrotas seguidas para o campeão Max Holloway, Aldo se distanciou de uma nova disputa de cinturão. Com três lutas ainda em seu contrato e o desejo declarado de lutar boxe, qual será o futuro do Campeão do Povo? - Reprodução
Uma das opções para o brasileiro seria subir para a divisão dos leves (70 kg) e tentar travar alguma superluta na categoria de cima... - Diego Ribas
Aldo também poderia finalmente realizar um desejo antigo: migrar para o boxe e começar uma carreira na nobre arte. Mas, para isso, ele precisaria ser liberado pelo UFC ou terminar as três lutas que ainda possui no contrato - Florian Sädler
Por fim, o brasileiro pode simplesmente optar por pendurar as luvas. Embora, certamente, esse não é o desejo dos fãs de MMA - Reprodução/Instagram

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *