Francis Ngannou ignora Stipe Miocic e projeta duelo com Brock Lesnar

Ngannou venceu por nocaute sua luta no co-main event do UFC 218 – Diego Ribas

Francis Ngannou nocauteou Alistair Overeem ainda no primeiro round no UFC 218, evento que aconteceu nesse sábado (2), em Detroit (EUA), e conquistou a sua oportunidade de disputar o cinturão. No entanto, apesar de Stipe Miocic ser o atual campeão do peso-pesado e, consequentemente, seu próximo oponente, o camaronês parece ter outro adversário dos sonhos com quem gostaria de medir forças no octógono: Brock Lesnar.

Em entrevista ao podcast ‘Top Turtle’, o novo desafiante da divisão revelou o seu desejo em enfrentar o ex-campeão do UFC. De acordo com Ngannou, esta seria um combate que os fãs gostariam de assistir na divisão e que impressionaria pelo tamanho dos competidores envolvidos.  Mesmo com a possibilidade desse confronto acontecer ainda ser distante, já que Lesnar está aposentado, o camaronês aposta que conseguiria nocautear o americano.

“Eu gostaria de ver uma luta entre eu e Brock Lesnar. Dois caras grandes. Eu gosto desse casamento. Estou empolgado com isso tanto quanto os fãs. Quero ver esse confronto. Ele é grande. Enorme, como vocês dizem. Mas ele não é mais forte do que eu. Eu sou mais forte. Sou o melhor trocador dos pesados e mais poderoso. Sou talentoso e lidaria com isso com facilidade. Eu sempre prevejo o nocaute. Se ele tentar trocar comigo, não vai ficar de pé por muito tempo. E eu acho que ele tentaria alguma coisa. Ele é um bom trocador, mas não sabe o quão perigoso eu posso ser”, garantiu o atleta.

Com a sua vitória mais recente, Ngannou acumula um cartel praticamente impecável, já que foi derrotado apenas uma vez como profissional. Em seus 11 resultados positivos, o camaronês nunca chegou ao último round previsto e venceu por nocaute ou finalização todos os seus confrontos.

Grande aposta do UFC na divisão dos pesados, Francis se mudou para Las Vegas onde, de acordo com Dana White, se tornou o atleta que mais faz uso do centro de treinamento montado pela organização na cidade. Aos 31 anos, o camaronês naturalizado francês pode ser uma arma para popularizar ainda mais o esporte na Europa.

Para a tristeza dos brasileiros, a era de José Aldo como campeão peso-pena (66 kg) do UFC chegou ao fim. No último sábado (2), o lutador fez uma revanche contra Max Holloway para tentar recuperar o título que foi seu por pouco mais de quatro anos e acabou nocauteado assim como no primeiro combate. Agora, distante de uma nova disputa de cinturão, o brasileiro ainda tem três lutas em seu contrato com o Ultimate. Relembre a trajetória do 'Campeão do Povo' no MMA - Reprodução
Pouco mais de um ano após estrear no extinto WEC, Aldo provou que merecia lugar de destaque ao enfrentar Mike Brown pelo cinturão peso-pena (66 kg) da companhia e se consagrar campeão ao nocautear o americano - Reprodução
Em 2011, após o WEC ser adquirido pelo Ultimate, Aldo manteve o cinturão dos penas e já estreou na nova companhia defendendo o seu título contra Mark Hominick. O Campeão do Povo venceu por decisão unânime dos juízes e deu início ao seu legado como maior nome da história da divisão - Erik Engelhart
O brasileiro defendeu o cinturão dos penas do UFC por sete vezes consecutivas, em um período de pouco de mais de quatro anos. Até os dias de hoje, o brasileiro é o maior atleta da história da divisão na companhia - Felipe Castello Branco
Durante o seu reinado, Aldo manteve uma relação conturbada com a diretoria do Ultimate. Seguidos cancelamentos de lutas do brasileiro e a vontade de realizar no máximo dois confrontos por ano dificultaram a convivência do brasileiro com Dana White - Diego Ribas
Em dezembro de 2015, sem perder uma luta há mais de dez anos, Aldo foi nocauteado por Conor McGregor em apenas 13 segundos de combate e perdeu o cinturão dos penas do UFC, dando início À uma fase polêmica de sua carreira - UFC/Divulgação
Com a recusa de uma revanche imediata contra o irlandês - que subiu de categoria para fazer superlutas - Aldo anunciou aposentadoria do MMA. Contudo, após conversa com Dana White, o brasileiro voltou atrás em sua decisão e passou a receber críticas por parte de fãs - Marcelo de Jesus
Pouco menos de um ano após a derrota para McGregor, Aldo voltou a subir no octógono para encarar Frankie Edgar em duelo valendo o título interino dos penas. Com excelente atuação, o Campeão do Povo superou o americano na decisão unânime dos juízes - Rigel Salazar
Após a conquista do título interino, Aldo foi promovido a campeão linear dos penas (66 kg) depois que McGregor subiu definitivamente para os pesos-leves (70 kg) e vagou o cinturão - Reprodução
Em sua primeira defesa de cinturão após reconquistar o título, Aldo foi nocauteado por Max Holloway no Rio de Janeiro e perdeu novamente o título dos penas - Marcelo de Jesus
Seis meses depois da derrota, o brasileiro voltou a encarar Holloway em uma revanche valendo o cinturão da divisão. Assim como no primeiro combate, o brasileiro foi nocauteado pelo havaiano - Marcelo de Jesus
Com as duas derrotas seguidas para o campeão Max Holloway, Aldo se distanciou de uma nova disputa de cinturão. Com três lutas ainda em seu contrato e o desejo declarado de lutar boxe, qual será o futuro do Campeão do Povo? - Reprodução
Uma das opções para o brasileiro seria subir para a divisão dos leves (70 kg) e tentar travar alguma superluta na categoria de cima... - Diego Ribas
Aldo também poderia finalmente realizar um desejo antigo: migrar para o boxe e começar uma carreira na nobre arte. Mas, para isso, ele precisaria ser liberado pelo UFC ou terminar as três lutas que ainda possui no contrato - Florian Sädler
Por fim, o brasileiro pode simplesmente optar por pendurar as luvas. Embora, certamente, esse não é o desejo dos fãs de MMA - Reprodução/Instagram

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *