Com moral! Treinador de ‘DJ’ dedica vitória por finalização a Bibiano Fernandes

Bibiano Fernandes é o atual campeão do ONE Championship– Reprodução/One FC

O UFC Kansas City, evento realizado no último sábado (15), foi marcado pela finalização de Demetrious Johnson sobre Wilson Reis no 3° round da luta principal da noite. Com o resultado, o americano igualou o recorde de dez defesas de cinturão de Anderson Silva e se garantiu como um dos maiores atletas da história do Ultimate. No entanto, logo após o combate, o treinador principal de ‘DJ’ não perdeu tempo e fez questão de dedicar a vitória a Bibiano Fernandes, brasileiro que auxiliou o campeão peso-mosca (57 kg) na preparação para o confronto.

O reconhecimento é fruto dos cinco anos de dedicação ao lado de Demetrious e de Matt Hume, treinador principal do americano e responsável pela homenagem. Parceiro de treinos do campeão do UFC desde o final de 2011, época em que o americano vinha de derrota para Dominick Cruz, por sinal o último revés de carreira. Mas apesar dos holofotes, o brasileiro, que é detentor do título dos galos do One FC (evento asiático de MMA), manteve a humildade e garantiu que o merecimento é todo de DJ.

“Eu faço o meu trabalho, ajudo os caras. Depois da luta ele [DJ] mandou uma mensagem agradecendo por tê-lo ajudado, aí eu o parabenizei e disse para ele aproveitar a família agora. Sou assim, não sou muito emocional. Sou mais tranquilo, racional, e ainda bem que o cara reconheceu. Sou mais na minha, mas depois da luta o cara mandou mensagem, assim como o professor dele, o Matt Hume, que me disse: ‘Dedicamos essa chave de braço para você’. Isso é legal, mas a vitória é do cara, ele que merece”, relatou em conversa com a reportagem da Ag.Fight.

Mesmo sendo companheiro de treino de Demetrious há anos, Bibiano não escondeu a insatisfação pelo fato de auxiliar o americano para o combate contra Wilson Reis. Isso porque, apesar da parceria de longa data com o campeão, o brasileiro garantiu que o sentimento de apoio a um compatriota fala mais alto nessas horas. Por isso, ele foi além e, depois de analisar o erro na estratégia do desafiante, revelou que ficou triste com sua derrota.

“Quer que eu seja sincero? Fiquei triste, né? O Wilson é brasileiro e eu não queria que ele [DJ] lutasse com um brasileiro. Eu sabia que o Wilson só tinha chances de vencer no começo, mas ele foi tentar trocar em vez de tentar colocar para baixo, aí percebi que ele foi pelo caminho errado. Comentei inclusive com meus amigos que, por causa disso, ele ‘DJ’ finalizaria no terceiro round. Todos falaram: ‘Vai nada, cara’, mas sou mais realista e não muito emocional”, afirmou.

Apesar do currículo vitorioso no mundo das lutas, Bibiano Fernandes ainda é pouco conhecido pelo grande público de MMA do Brasil. No entanto, o veterano de 37 anos garante saber lidar com a situação e entende que isso é fruto de suas escolhas, já que, quando teve a oportunidade de migrar para o UFC, preferiu permanecer no One FC. Por isso, ele garantiu estar satisfeito com sua popularidade e de quebra revelou que já se sente em casa em Vancouver, província em que mora no Canadá.

“Moro aqui na América no Norte, em Vancouver, e os caras do ‘Sun Paper’, o jornal mais famoso aqui da província, sempre me dão uma moral. O Canadá me dá apoio, pode até ser que eu sinta falta  disso do Brasil, mas aqui me dão estrutura e apoio. […] Tenho reconhecimento aqui também, posso não ter aí [Brasil], mas quem conhece de luta sabe quem eu sou. Se você chegar hoje para o Dana White e ele falará que já ouviu falar de mim. […] Ficar mais famoso dependerá do meu trabalho e de mim, porque não lutei no UFC e por isso não fiquei famoso assim”, completou.

A vida no esporte chega ao fim para qualquer atleta e o que permanece é o legado deixado por eles. No MMA, alguns grandes nomes abandonaram os cages nos últimos meses. Confira os top 10 lutadores que penduraram suas luvas recentemente - Divulgação/UFC
Ex-campeão dos pesos-pesados do Pride, Mirko Filipovic, mais conhecido como 'Cro Cop', é considerado uma lenda do MMA. Com 49 lutas em 15 anos de carreira, o croata se aposentou em grande estilo em dezembro passado após vencer um torneio sem limite de peso do Rizin - Reprodução/site UFC
Membro do Hall da Fama do UFC, Tito Ortiz é ex-campeão dos meio-pesados (93 kg) do Ultimate onde fez cinco defesas de cinturão. Em janeiro passado, o americano finalizou Chael Sonnen pelo Bellator em sua despedida do esporte - Diego Ribas
Poucos atletas tiveram uma carreira tão vitoriosa quanto Dan Henderson. Com quase 20 lutando MMA profissionalmente, 'Hendo', foi campeão do Pride em duas categorias e do Strikeforce. O veterano encerrou o seu vínculo com o esporte aos 46 anos de idade depois de disputar o cinturão dos médios (84 kg) do UCF contra Michael Bisping - Florian Sändler
Um dos maiores vendedores de pay-per-view da história do UFC, Brock Lesnar passou quase cinco anos afastado do MMA e atuando somente na WWE. Ex-campeão dos pesos-pesados, o gigante americano retornou em julho passado e encarou Mark Hunt no histórico UFC 200. Após o duelo, o wrestler foi pego no exame antidoping e suspenso. Consequentemente, o atleta anunciou sua aposentadoria definitiva - Diego Ribas
Um dos maiores nomes do MMA feminino da história, Miesha Tate foi campeã peso-galo (61 kg) do Strikeforce e do UFC. Dona de uma carreira que durou quase 10 anos, a americana declarou a sua aposentadoria em novembro passado depois de ser derrotada pela compatriota Raquel Pennington - Diego Ribas
Aos 33 anos de idade, Anthony Johnson anunciou a sua aposentadoria depois de ser finalizado por Daniel Cormier no UFC 210. Famoso por seu poder de nocaute, o americano colecionou na carreira um cartel com 22 vitórias e seis derrotas - Diego Ribas
Ex-campeão peso-pena (66 kg) do WEC, Urijah Faber conquistou 34 vitórias em sua carreira. A última luta do 'California Kid' aconteceu em dezembro de 2016 quando ele derrotou Brad Pickett - Diego Ribas
Finalista do TUF 4 no peso-médio (84 kg), Patrick Coté chegou a disputar o título da divisão em 2008 quando sofreu uma lesão no joelho no duelo contra Anderson Silva. Aos 37 anos de idade, o canadense anunciou a aposentadoria depois de perder para Thiago 'Pitbull' no UFC 210 - Divulgação UFC
Com seis derrotas em suas últimas sete lutas, Brad Pickett anunciou a sua aposentadoria em março passado. Aos 38 anos de idade, o americano colecionou na carreira um cartel com 25 triunfos e 14 reveses - Florian Sädler
Participante do TUF 2, Joshua Burkman começou a competir MMA em 2003. Em março passado, após ser finalizado por Michel 'Trator' no UFC Fortaleza e acumular a quinta derrota em seis lutas, o atleta anunciou a aposentadoria aos 36 anos de idade - Felipe Castello Branco

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *