Campeã peso-mosca escapa de suspensão médica do TUF 26 Finale

Nicco Montano é a primeira campeã peso-mosca (57 kg) do UFC – Diego Ribas

Realizado na última sexta-feira (1º) em Las Vegas (EUA), o TUF Finale 26 teve a sua lista de suspensões médicas divulgada pela Comissão Atlética de Nevada nessa segunda-feira. Primeira campeã peso-mosca (57 kg) do UFC, Nicco Montano não recebeu qualquer gancho e pode voltar ao octógono em pouco tempo.

Por sua vez, a adversária de Nicco, Roxanne Modafferi está suspensa dos cages até o próximo dia 1º de janeiro. A atleta foi superada pela compatriota na decisão unânime dos juízes.

De todos os 22 atletas que participaram do evento, apenas nove receberam ganchos médicos. E, liderando a lista de suspensões estão Sean O’Malley, Barb Honchak, Melinda Fabian Ariel Beck – todos terão que se manter afastados do cage até o dia 31 de maio de 2018.

Confira abaixo as suspensões do TUF 26 Finale.

Roxanne Modafferi – suspensa até 1º de janeiro

Sean O’Malley – suspenso até 31 de maio

Terrion Ware – suspenso até 23 de dezembro

Barb Honchak – suspenso até 31 de maio

Eric Spicely – suspenso até 16 de janeiro

Melinda Fabian – suspensa até 31 de maio

Ryan James – suspenso até 10 de janeiro

Andrew Sanchez – suspenso até 16 de janeiro

Ariel Beck – suspenso até 31 de maio

Para a tristeza dos brasileiros, a era de José Aldo como campeão peso-pena (66 kg) do UFC chegou ao fim. No último sábado (2), o lutador fez uma revanche contra Max Holloway para tentar recuperar o título que foi seu por pouco mais de quatro anos e acabou nocauteado assim como no primeiro combate. Agora, distante de uma nova disputa de cinturão, o brasileiro ainda tem três lutas em seu contrato com o Ultimate. Relembre a trajetória do 'Campeão do Povo' no MMA - Reprodução
Pouco mais de um ano após estrear no extinto WEC, Aldo provou que merecia lugar de destaque ao enfrentar Mike Brown pelo cinturão peso-pena (66 kg) da companhia e se consagrar campeão ao nocautear o americano - Reprodução
Em 2011, após o WEC ser adquirido pelo Ultimate, Aldo manteve o cinturão dos penas e já estreou na nova companhia defendendo o seu título contra Mark Hominick. O Campeão do Povo venceu por decisão unânime dos juízes e deu início ao seu legado como maior nome da história da divisão - Erik Engelhart
O brasileiro defendeu o cinturão dos penas do UFC por sete vezes consecutivas, em um período de pouco de mais de quatro anos. Até os dias de hoje, o brasileiro é o maior atleta da história da divisão na companhia - Felipe Castello Branco
Durante o seu reinado, Aldo manteve uma relação conturbada com a diretoria do Ultimate. Seguidos cancelamentos de lutas do brasileiro e a vontade de realizar no máximo dois confrontos por ano dificultaram a convivência do brasileiro com Dana White - Diego Ribas
Em dezembro de 2015, sem perder uma luta há mais de dez anos, Aldo foi nocauteado por Conor McGregor em apenas 13 segundos de combate e perdeu o cinturão dos penas do UFC, dando início À uma fase polêmica de sua carreira - UFC/Divulgação
Com a recusa de uma revanche imediata contra o irlandês - que subiu de categoria para fazer superlutas - Aldo anunciou aposentadoria do MMA. Contudo, após conversa com Dana White, o brasileiro voltou atrás em sua decisão e passou a receber críticas por parte de fãs - Marcelo de Jesus
Pouco menos de um ano após a derrota para McGregor, Aldo voltou a subir no octógono para encarar Frankie Edgar em duelo valendo o título interino dos penas. Com excelente atuação, o Campeão do Povo superou o americano na decisão unânime dos juízes - Rigel Salazar
Após a conquista do título interino, Aldo foi promovido a campeão linear dos penas (66 kg) depois que McGregor subiu definitivamente para os pesos-leves (70 kg) e vagou o cinturão - Reprodução
Em sua primeira defesa de cinturão após reconquistar o título, Aldo foi nocauteado por Max Holloway no Rio de Janeiro e perdeu novamente o título dos penas - Marcelo de Jesus
Seis meses depois da derrota, o brasileiro voltou a encarar Holloway em uma revanche valendo o cinturão da divisão. Assim como no primeiro combate, o brasileiro foi nocauteado pelo havaiano - Marcelo de Jesus
Com as duas derrotas seguidas para o campeão Max Holloway, Aldo se distanciou de uma nova disputa de cinturão. Com três lutas ainda em seu contrato e o desejo declarado de lutar boxe, qual será o futuro do Campeão do Povo? - Reprodução
Uma das opções para o brasileiro seria subir para a divisão dos leves (70 kg) e tentar travar alguma superluta na categoria de cima... - Diego Ribas
Aldo também poderia finalmente realizar um desejo antigo: migrar para o boxe e começar uma carreira na nobre arte. Mas, para isso, ele precisaria ser liberado pelo UFC ou terminar as três lutas que ainda possui no contrato - Florian Sädler
Por fim, o brasileiro pode simplesmente optar por pendurar as luvas. Embora, certamente, esse não é o desejo dos fãs de MMA - Reprodução/Instagram

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *