Campeã do UFC perde a paciência com Ronda Rousey: “Cresça”

‘DJ’ alcançou a marca de dez defesas de cinturão na divisão dos moscas – Diego Ribas

Campeão peso-mosca (57 kg) do UFC e dono da incrível marca de dez defesas seguidas de título, Demetrious Johnson perdeu a paciência com Ronda Rousey. Em entrevista à reportagem da revista ‘Sports Illustrated’, o americano criticou a postura da atleta após suas derrotas no octógono, e não economizou no discurso.

Questionado sobre a postura da judoca, ex-campeã peso-galo (61 kg) que sumiu dos holofotes da mídia após sofrer duas derrotas seguidas no octógono, ‘DJ’ ressaltou que essa não é a maneira de se lidar com derrotas, já que o MMA é repleto delas.

“Você olha para Ronda Rousey. Você foi derrotada, então cresça. Acontece, isso é MMA. Não quero ser assim. Se eu perder, eu perdi. Todo mundo perde, é parte do esporte. Cresça. Olhe, Ronda, você perdeu duas porcarias de lutas em sequências e você fez mais dinheiro do que toda a divisão feminina”, afirmou.

Empatado com Anderson Silva com a maior sequência de defesas de título, ‘DJ’ vive momento completamente diferente do de Ronda. Com duas derrotas seguidas, a americana flerta com a possibilidade de pendurar as luvas definitivamente.

Ronda Rousey perdeu suas duas últimas lutas no UFC, ambas por nocaute. A sequência coloca a americana em uma situação delicada, a ponto da judoca ver a continuidade de sua carreira ser questionada por fãs, colegas de profissão e especialistas. Mas será que é hora de pendurar as luvas? - Rigel Salazar
Retrospecto negativo - Sem dúvida, as derrotas no octógono marcaram a carreira da americana e colocaram em xeque não apenas as suas habilidades, mas a sua capacidade de mais uma vez encarar as adversidades e superar os desafios para se preparar para uma nova apresentação no cage - Diego Ribas
Psicológico - Não é novidade que este lado pesa contra. E muito. Afinal, após perder para Holly Holm, Ronda declarou que chegou a pensar em suicídio, tamanha a sua dificuldade em lidar com o fracasso... - Rigel Salazar
Super exposição - Mesmo fugindo da mídia nos meses anteriores ao duelo contra Amanda Nunes, Ronda segue sendo o nome mais falado do MMA mundial. Famosa, com uma carreira no cinema cada vez mais visível e com milhões no banco, a lutadora rompeu a barreira do MMA e se tornou uma celebridade. E não há quem lide de forma natural com isso - Diego Ribas
Defasagem - Depois de um ano sem lutar e treinando em segredo, Ronda não mostrou nada de novo dentro do cage. Com os mesmos recursos e mesmas falhas, a americana garantiu defasagem técnica diante de um esporte em constante evolução - Diego Ribas
Serviço feito - De fato, a motivação para se manter no topo tende a não ser a mesma apresentada para se chegar a ele. No caso de Ronda, existe um agravante. Ela carrega nos ombros o peso de ter feito do MMA feminino um mercado rentável e promissor, e que caminha bem mesmo sem ela. Com o 'serviço feito', ela pode se orgulhar de ter aberto as portas para toda uma geração de atletas - Erik Engelhart
Novas opções - Com a carreira fora do octógono bem encaminhada, e exigindo cada vez mais de seu tempo, a judoca encontra esperada dificuldade em gerir ambas atividades em alto nível. Dessa forma, a mais rentável e duradoura delas parece cada vez mais atrativa - Erik Engelhart
Base sólida - Com uma legião de fãs ao redor do mundo, nome vendável para diferentes marcas em diferentes mercados, Ronda tem estabilidade suficiente para se arriscar no mundo do entretenimento. Algo raro no mundo do MMA - Erik Engelhart
Críticas e polêmias - Caso opte por seguir no MMA, Ronda terá que encarar alguns detaques tavez desnecessários. Entre eles as diversas críticas sobre a qualidade de seu treinador Edmond Tarverdyan, com que até mesmo sua mãe já discutiu publicamente. Por isso, se pisar no octógono novamente, velhas questões sobre ele, seu treinamento e estilo, e até mesmo polêmicas de vida pessoal, podem voltar a incomodá-la - Diego Ribas
Desgaste físico - Não apenas os anos de dedicação ao MMA, mas o tempo investido em sua carreira no judô, com direito a medalha de bronze olímpica, fazem de Ronda uma bomba-relógio. Em algum momento, seu corpo vai precisar de descanso. Afinal, com mais de 20 anos de treino e dedicação exclusiva, não há articulações e joelhoes que aguentem sem reclamar - Rigel Salazar
Vida pessoal - Por fim, mas não menos importante, Ronda já declarou que quer ser mãe, casar e construir uma família normal (com direito a casa grande e rotina regular). Nada mais justo do que, próxima dos 30 anos e com a vida estabilizada, ela tenha o tempo necessário para se programar e garantir a realização de suas metas - Erik Engelhart

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *