Árbitro defende interrupção em luta de ‘Jacaré’: “Não tinha mais como se defender”

Mario Yamasaki é um dos árbitros de MMA mais famosos do mundo – Reprodução/Twitter

O nocaute sofrido por Ronaldo ‘Jacaré’ para Robert Whittaker no UFC On Fox 24, evento realizado no último sábado (15) em Kansas City (EUA), está dando o que falar. Isso porque muitos fãs reclamaram da interrupção do árbitro Mário Yamasaki quando o brasileiro levava golpes no ground and pound do australiano – na visão do público, o peso-médio (84) esboçou uma reação ao virar para a posição de quatro apoios. Contudo, o juiz tratou de refutar as críticas.

O lance aconteceu na metade do segundo assalto. Mais lento que de costume, o brasileiro foi dominado estrategicamente pelo rival que, com um jogo de pernas afiado, não parou de se movimentar e apostou em golpes de encontro que surtiram efeito. Em determinado momento, Jacaré sofreu dois knockdowns, fruto dos precisos diretos de Whittaker, que terminou a fatura no ground and pound. E, de acordo com o juiz, o ex-campeão do Strikeforce não tinha mais poder de reação.

“Eu converso com muita gente sobre o Gary Goodridge, Eder Jofre e Maguila, que sofrem de demência pugilística. As pessoas não sabem como é perigoso levas socos desnecessários. Estou seguindo a minha ética e também a comissão atlética. Todos na comissão atlética ressaltaram o meu trabalho, mas os fãs não gostaram. Eles dizem que eu não gosto de brasileiros, blá blá blá. Mas eu sou o árbitro, eu tenho que seguir as regras”, afirmou em conversa com o site MMA Fighting, antes de apontar que o juiz enxerga coisas dentro do octógono que os fãs não percebem.

“Assistindo na televisão, você pode ficar com a impressão de que eu poderia ter deixado a luta correr um pouco mais. No entanto, vocês não podem ver os olhos do atleta. Ele estava machucado, só levaria mais golpes e foi a minha decisão ter a certeza de que ele estaria seguro uma vez que ele não tinha mais como se defender”, declarou.

O nocaute sofrido para Whittaker marcou a segunda derrota de Jacaré em seis anos. Aos 37 anos de idade, o brasileiro coleciona na carreira um cartel com 24 triunfos, cinco reveses e uma luta sem resultado.

A vida no esporte chega ao fim para qualquer atleta e o que permanece é o legado deixado por eles. No MMA, alguns grandes nomes abandonaram os cages nos últimos meses. Confira os top 10 lutadores que penduraram suas luvas recentemente - Divulgação/UFC
Ex-campeão dos pesos-pesados do Pride, Mirko Filipovic, mais conhecido como 'Cro Cop', é considerado uma lenda do MMA. Com 49 lutas em 15 anos de carreira, o croata se aposentou em grande estilo em dezembro passado após vencer um torneio sem limite de peso do Rizin - Reprodução/site UFC
Membro do Hall da Fama do UFC, Tito Ortiz é ex-campeão dos meio-pesados (93 kg) do Ultimate onde fez cinco defesas de cinturão. Em janeiro passado, o americano finalizou Chael Sonnen pelo Bellator em sua despedida do esporte - Diego Ribas
Poucos atletas tiveram uma carreira tão vitoriosa quanto Dan Henderson. Com quase 20 lutando MMA profissionalmente, 'Hendo', foi campeão do Pride em duas categorias e do Strikeforce. O veterano encerrou o seu vínculo com o esporte aos 46 anos de idade depois de disputar o cinturão dos médios (84 kg) do UCF contra Michael Bisping - Florian Sändler
Um dos maiores vendedores de pay-per-view da história do UFC, Brock Lesnar passou quase cinco anos afastado do MMA e atuando somente na WWE. Ex-campeão dos pesos-pesados, o gigante americano retornou em julho passado e encarou Mark Hunt no histórico UFC 200. Após o duelo, o wrestler foi pego no exame antidoping e suspenso. Consequentemente, o atleta anunciou sua aposentadoria definitiva - Diego Ribas
Um dos maiores nomes do MMA feminino da história, Miesha Tate foi campeã peso-galo (61 kg) do Strikeforce e do UFC. Dona de uma carreira que durou quase 10 anos, a americana declarou a sua aposentadoria em novembro passado depois de ser derrotada pela compatriota Raquel Pennington - Diego Ribas
Aos 33 anos de idade, Anthony Johnson anunciou a sua aposentadoria depois de ser finalizado por Daniel Cormier no UFC 210. Famoso por seu poder de nocaute, o americano colecionou na carreira um cartel com 22 vitórias e seis derrotas - Diego Ribas
Ex-campeão peso-pena (66 kg) do WEC, Urijah Faber conquistou 34 vitórias em sua carreira. A última luta do 'California Kid' aconteceu em dezembro de 2016 quando ele derrotou Brad Pickett - Diego Ribas
Finalista do TUF 4 no peso-médio (84 kg), Patrick Coté chegou a disputar o título da divisão em 2008 quando sofreu uma lesão no joelho no duelo contra Anderson Silva. Aos 37 anos de idade, o canadense anunciou a aposentadoria depois de perder para Thiago 'Pitbull' no UFC 210 - Divulgação UFC
Com seis derrotas em suas últimas sete lutas, Brad Pickett anunciou a sua aposentadoria em março passado. Aos 38 anos de idade, o americano colecionou na carreira um cartel com 25 triunfos e 14 reveses - Florian Sädler
Participante do TUF 2, Joshua Burkman começou a competir MMA em 2003. Em março passado, após ser finalizado por Michel 'Trator' no UFC Fortaleza e acumular a quinta derrota em seis lutas, o atleta anunciou a aposentadoria aos 36 anos de idade - Felipe Castello Branco

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *