Aldo desaprova pedido de Spider para que fãs devolvam ingressos: “Jamais faria”

José Aldo duela com Max Holloway no próximo dia 3 de junho, no Brasil – Gabriel Monteiro

Retirado do card do UFC Rio 8 em meio a uma confusão que envolveu críticas públicas ao evento, Anderson Silva garantiu grande polêmica ao sugerir que seus fãs pedissem dinheiro de volta e não comparecessem ao show marcado para o dia 3 de junho. Sua postura, que rapidamente foi criticada por Dana White, ganhou eco no discurso de José Aldo, responsável por fazer a luta principal desta edição.

Escalado para enfrentar Max Holloway, atleta que venceu suas dez últimas lutas no octógono, Aldo defenderá seu cinturão dos pesos-penas (66 kg) diante da torcida carioca e, por ter construído sua carreira na cidade, parece certo de que contará com casa cheia. Isso apesar da postura do ex-campeão dos médios (84 kg).

“Eu não soube, não leio internet, não fico focado nisso”, afirmou em conversa com a reportagem da Ag. Fight. “Quando ele lutaria em Curitiba, ele saiu do card também, mas ninguém saiu, ninguém estava pensando [em deixar de ir]. A luta principal quem vai fazer sou eu, é na cidade onde eu moro e onde tenho uma legião de fãs. Todo mundo está  indo para ver José Aldo e o Max Holloway. Tenho certeza de que ninguém vai pegar o ingresso [de volta]. Porque a luta principal não é ele”.

Aos 30 anos e dono de um dos cartéis mais vitoriosos da história do esporte, Aldo só se tornou realmente famoso e reconhecido por seus feitos após diversas defesas de título, incluindo dois triunfos sobre Chad Mendes no Brasil, no mesmo ginásio onde enfrentará Holloway. Com isso em mente, o atleta desaprovou a postura do Spider em relação aos atletas presentes no card.

“Jamais, cara. Jamais eu tomaria uma decisão dessas. Se sou hoje o José Aldo é graças ao UFC. Tenho meus méritos, tenho meu trabalho e fiz por onde. Trabalhei para isso, mas sozinho não conseguiria. Já saí do card também faltando menos de um mês e o próprio Anderson entrou também para fazer uma luta. Assim mesmo eu pedi para os fãs e dei incentivo para comparecerem ao evento. Isso não é bom, você tentar jogar fãs contra o evento. Não importa o que aconteça. É sempre bom dar força. Ontem eram as melhores coisas do mundo, e a partir do momento que não vem a si, se tornam as piores coisas  do mundo”, analisou tentando evitar um discurso mais direto ao ex-campeão.

No entanto, Aldo faz questão de lembrar que ao longo de sua caminhada no UFC ele bateu de frente com a organização do show em diversas ocasiões. No entanto, em nenhuma delas ele teria deixado de dar suporte a algum colega de profissão, deixando claro que suas diferenças eram apenas questões burocráticas com o próprio evento.

“Sempre procurei defender outros atletas que estão começando. Aqueles que achava injustiçado. Tive muitas brigas com o UFC e fui muito penalizado por comprar barulho de outras pessoas. O UFC sempre falou para eu defender o meu [lado] porque assim que eu ganharia muito mais. Hoje você vê uma coisa acontecendo e você querendo defender apenas o seu e não pensando nos outros, deixa bem mal para os fãs e mostra o verdadeiro caráter da pessoa. Quando você está bem, você está bem, você é uma pessoa. Quando você está mal, você muda. Nunca vou ser assim, não importa o que aconteça”, profetizou, antes de reforçar o desconforto com a postura do veterano de 42 anos.

“Se fosse qualquer outro atleta, jamais alguém falaria isso, principalmente americano. Já passei por isso, ia lutar com o [Anthony] Pettis no Rio e ele se machucou. Iria lutar com o Erik Koch e ele saiu também. Iria lutar com o Frankie Edgar e ninguém falou nada. Americano não tem esse lado de picuinha, eles procuram defender o dele e trabalhar. É assim que é. Não digo que está errado, cada cabeça seu guia”.

Após a polêmica resposta em sua conta no Instagram, Anderson Silva fez um novo post onde tentou se explicar. Spider afirmou ter respeito aos atletas que lutarão no UFC 212 e garantiu apenas estar respondendo questionamentos dos seus fãs.

Confira a entrevista completa aqui:

Zé Aldo bateu Chad Mendes, possivelmente seu maior rival na categoria dos pesos-penas (66 kg), pela segunda vez no último final de semana e garantiu a manutenção do único cinturão brasileiro no UFC. Com o título em mãos, o atleta da Nova União desponta para ser o grande representante da modalidade no país, posto que já foi ocupado por Anderson Silva. Veja os passos que ainda faltam...
O primeiro passo para atingir a popularidade e fama do Spider seria limpar por completo a sua divisão, feito que não parece impossível para o dono dos chutes mais impactantes do MMA atual. Bermudez, McGregor e Poirier são algumas “cabeças” que faltam na lista do campeão
Claro, para apimentar o interesse dos fãs e criar uma atmosfera propícia para cravar seu nome na história, Aldo precisaria bater um arquirrival, alguém com quem protagonizasse uma imensa rivalidade. Assim como Chael Sonnen foi para Anderson entre os médios, o irlandês Conor McGregor pode ser para Aldo. O que pode ser muito bem aproveitado pelo campeão
Um ponto que ajudou muito para a popularização do Spider e que ainda falta a Aldo é o fator polêmica. Acostumado a proporcionar grandes shows, Anderson ousava durante suas encaradas nas pesagens, ora com um selinho, uma máscara, uma ombrada.. O importante era criar uma expectativa para o dia da luta
Não que Anderson fale bem inglês, mas ele entende o básico e até arrisca algumas frases, o que ajuda a cativar fãs ao redor do mundo. Zé Aldo bem que poderia dar uma intensificada nas aulinhas de inglês para em alguns meses poder mandar alguns recados mais diretos ao público não brasileiro
Talvez o passo mais importante para Aldo no momento, é voltar a dar show e espetáculo. Não que a luta contra Chad Mendes não tenha sido histórica, mas o fato que fez Anderson Silva ser Anderson Silva é que ele era capaz d dar cabo a qualquer adversário em qualquer momento. Vitor Belfort, Dan Henderson, Chael Sonnen e Rich Franklin que o digam. As constantes vitórias por pontos de Aldo podem ser um fator que atrapalhe seu crescimento no atual cenário do MMA
O fator surpresa é algo que pode ser aprimorado por Aldo. Por exemplo, qual foi a última vez que você viu o campeão dos penas tentar uma queda ou arriscar uma finalização? No fim das contas, a imprevisibilidade, seja ela na parte técnica ou estratégia, ajuda a cativar a atenção dos fãs
Por fim, as duas vezes em que Anderson Silva subiu de categoria e trucidou s rivais sempre no primeiro round deram ar e status de invencibilidade nunca atingidos antes pelo brasileiro. Como tem altura e peso para isso, Aldo poderia pensar a respeito mais seriamente

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *