Água fria! Dana White admite que negociação com time de Mayweather deve demorar

Presidente do UFC, Dana White negocia a realização da luta de boxe  – Diego Ribas

Responsável por intermediar a negociação do combate entre Conor McGregor e Floyd Mayweather, Dana White, o presidente do UFC, não traz boas notícias aos fãs ansiosos para ver o duelo sair do papel. Isso porque após dar indícios de que a realização do confronto estaria por um fio, o cartola também aproveitou para garantir que ainda está longe de um acordo com a equipe do invicto pugilista multicampeão mundial.

Em conversa com jornalistas durante a coletiva após o UFC 211, evento realizado no último sábado (13) e que foi marcado pela confirmação de Demian Maia como próximo desafiante ao cinturão dos meio-médios (77 kg), o cartola esfriou as expectativas sobre a luta de boxe. Contudo, apesar de garantir estar longe de uma negociação com o americano, o cartola revelou estar próximo de um acerto com McGregor e sua equipe.

“Nós já estamos lá [próximos de um acerto]. Espero estar assinando o acordo amanhã, para então começar a negociar com o time do Mayweather na próxima semana. Nós estamos apenas chegando a um acordo com a equipe do Conor, então como você acha que será com a equipe do Mayweather? Quanto tempo você acha que gastarei nisso? [O tempo que gastarei nessa negociação] Depende do quão ridículo isso for. Sim [essa luta me dará lucro], mas depende do quão lucrativo será”, analisou durante a conversa com jornalistas.

Dana White não se limitou apenas a analisar a realização ou não do combate, e também tratou de expor algumas dúvidas que cercam o duelo. Entre elas, está o fato de que o cartola é responsável por gerir a maior companhia de MMA do mundo, e que a única possibilidade de desprender tempo para a realização do confronto seria com um alto retorno financeiro – o que, de acordo com sua opinião, ainda não é uma certeza.

“Você poderia assumir quantas vendas [de pay-per-view] nós faremos? Não existem garantias. Toda vez que se fala de pay-per-view é como se jogar dados, não se sabe o que acontecerá. Existem algumas lutas que você sabe [que darão lucro], e essa se parece com uma que deve [dar lucro], mas nunca se sabe”, completou.

A aposentadoria é apontada por atletas de diversas modalidades como um dos momentos mais difíceis da vida de um esportista. No entanto, alguns atletas de MMA já chegara a cogitar publicamente pendurar as luvas no calor da emoção, seja após uma derrota ou durante uma negociação contratual frustrada. O caso mais recente é o de Anderson Silva, que afirmou que deixaria as artes marciais mistas caso não fizesse parte do UFC 212, e mesmo após sua exclusão do show ainda não se pronunciou. Por isso, a Ag. Fight te mostra outros nove competidores 'quase aposentados' - Gabriel Monteiro Torres
Um brasileiro que também flertou com a aposentadoria foi José Aldo. O discurso foi feito em tom de revolta após não receber uma revanche contra Conor McGregor, atleta irlandês que o derrotou na disputa pelo cinturão peso-pena (66 kg) do UFC em dezembro de 2015 – Gabriel Monteiro Torres
Ex-campeão dos pesados e dos meio-pesados (93 kg) do UFC, Randy Couture também cogitou sua aposentadoria precoce do esporte. Na ocasião, o americano se desentendeu com o Ultimate enquanto tentava ser liberado para enfrentar Fedor Emilianenko, atleta russo considerado um dos melhores da história do MMA - Divulgação/UFC
Wanderlei Silva também é um dos lutadores que analisou a aposentadoria do esporte. Na época, ainda em 2014, o lutador fugiu de um exame antidoping ao não ceder urina para os fiscais da Comissão Atlética. E, sabendo que pegaria um gancho pesado, cogitou deixar o MMA - Divulgação
Atleta meio-médio (77 kg) do UFC, Carlos Condit também pensou em seguir o mesmo caminho. Isso porque o lutador, que já disputou o cinturão de sua divisão em duas oportunidades, estava insatisfeito por não receber outra chance pelo título e chegou a declarar que caso seu pedido não fosse atendido, ele estaria pronto para largar o octógono - Diego Ribas
Luke Rockhold, ex-campeão dos médios (84 kg) do UFC e do Bellator, também já flertou com a aposentadoria. Na última semana, por exemplo, o atleta propôs uma greve geral entre os lutadores do Ultimate e inclusive cogitou pendurar as luvas caso a organização não disponibilize um cinturão interino - Florian Sädler
Até Conor McGregor, a maior estrela do Ultimate na atualidade, já pensou em abandonar o MMA. Na época, o atleta cogitou pendurar as luvas após ser cortado do UFC 200 em virtude de conflitos com a organização. Seu misterioso Twitter mencionando o fim da carreira quebrou recordes de engajamento na rede social – Diego Ribas
Próximo lutador a disputar o cinturão peso-médio (84 kg) do UFC, GSP é o caso de atleta que de fato se aposenta, mas depois resolve voltar atrás na decisão. Isso porque o canadense, que deixou o esporte no final de 2013, anunciou esse ano que retornaria ao MMA – Diego Ribas
Chael Sonnen, o adversário de Wanderlei Silva no Bellator 180, também é um dos que agiu sob o calor do momento e anunciou sua aposentadoria precoce. Na época, o atleta também se retirou do esporte após sofrer gancho pesado da comissão atlética local por falhar em dois exames antidoping - Jessica Portasio
Por último, mas não menos importante, está BJ Penn. O havaiano é ex-campeão do UFC e fecha a lista porque é um dos atletas que mais anunciou aposentaria e resolveu voltar atrás. Na última vez, por exemplo, o atleta retornou aos cages em janeiro de 2017 após pendurar as luvas em 2014 - Reprodução/Instagram

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *